smc

Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de abril de 2015

HOMEM-FORMIGA E OS "CAMARADAS" DO OZYMANDIAS REALISTA

 Olá camaradas do Ozymandias realista vou retrata a minha opinião sobre o Filme homem-Formiga, quem não ficou animado com o primeiro trailer preste bem atenção!
                                                                              Eles souberam deixa uma expressão ao ponto de deixar todo mundo anxiois. O filme parece estar muito bem favorável de cenas de ação e piadas, que é uma fórmula quase infalível da Marvel Studios. Nesse trailer, o vilão Jaqueta Amarela (que nos quadrinhos é uma das identidades de Hank Pym, o Homem-Formiga original) aparenta ser aqueles estilo "vilão pipoca", sabem? Um cara que só tá lá pra causar uma discórdia, ser derrotado e nunca mais aparecer direito nos filmes. Foi justamente o que pareceu, além do cara ser careca, me lembrou muito o Obadiah Stane de primeiro Homem de ferro.

                                                                                      além das cenas de ação e as de humor presentes, a interação com as formigas parece estar muito bem feita. É, na verdade, para ver no filme, porque é uma coisa bastante diferente dos heróis da Marvel que estamos acostumados a ver.

 Infelizmente não veremos Hank Pym (até onde sabemos) usando seus poderes no filme. Mas Scott Lang, apesar de eu preferir mais o Pym, não é um personagem ruim de se desenvolver.
A Vingadora Janet Van Dyne (a Vespa original) não vai estar no filme, dizem boatos que já terá batido as botas. Ao invés de Janet, Hope Van Dyne, a filha de Hank e da falecida, participará do filme. Essas são as únicas picuinhas de verdade que tenho com o filme.                                                                                                                                                              3:coisas que faram você assistir :
            
                   


  1:Homem-formiga, super Herói vai obter cenas de lutas emocionantes já de cara podemos saber ver mais ação,tanto como lutas de tamanho reduzido isso sem contar a luta entre os dois principais personagens principais que busca ter um agrado no público e que promete muito.A Marvel vai busca renovações e vai busca cenas de tudo que já viu explorado o cenário diferente vai ser FODA!

   

                                                                                                      

2 – Inimigo:No trailer não tínhamos visto muita coisa do vilão Jaqueta Amarela, sabíamos que ele teria algo de amarelo e que ele seria interpretado pelo ator Corey Stoll. Agora com as primeiras imagens posso conclur que ficou muito bom 
a máscara fechando está perfeita e os raios dos “braços” se encaixaram bem nas cenas de luta dando aquela vantagem necessária ao vilão. Sobre o desempenho do ator só assistindo pra saber, mas pra mim já tá valendo a pena.Vai ser Foda!


               
 3 – Humor: O que seria de um filme da Marvel sem diversão, essa foi que fez o universo no cinema tão popular e com Homem-Formiga não vai ser diferente. cenas engraçadas podemos esperar momentos engraçados, piadas sarcásticas e tiradas inteligentes. Mais um bom motivo para sair de casa e leva sua marmita e aproveita o filme!




quarta-feira, 29 de abril de 2015

Na DC foi um Erro, mas na Marvel... na Marvel não!

Qual a grande diferença entre o que ja vimos na DC e  Avengers  e Demolidor?

JUSTICEIRO PELA NETFLIX?



Não costumo ficar “dando notícias”, mas uma agora em especial me chamou atenção. Li ela no Actions e Comics, que por sua vez, tem outra fonte. Ela é sobre a possibilidade cada vez mais eminente do Justiceiro ter uma série pela Netflix na “fase 2” dela, ao padrão de qualidade que é a Demolidor (em breve um texto sobre aqui, afinal é uma obra de arte moderna essa série). Só raciocino o seguinte:

A Marvel criou o universo Ultimate, uma das melhores jogadas editoriais da história dela (junto com a Max e outros). Histórias de ótimas a excelentes. Muito neguinho no universo 616 com o passar dos anos se sentiu inferiorizado, afinal, Ultimate era brilhante, fazia muito sucesso e dava muita grana, com isso em mesa, qual a melhor jogada? Elevar as histórias do universo tradicional para acompanhar a força que a Ultimate tinha?

NÃO.

E sim ir destruindo o universo em várias marteladas. Ir deixando ele "tradicional", porque como dizem: "o prego que se destaca, é martelado de volta."

Agora nós temos a Netflix, elevando de fato o padrão, fazendo um trabalho como deve ser feito. A Marvel Studius vai elevar suas produções para acompanhar a qualidade?

Os senhores já sabem a resposta. Mas vão continuar esperançosos. Bem, já dizia o Bane: “É preciso ter esperança para de fato se destruir o espírito de vez.”


terça-feira, 28 de abril de 2015

Parece Incrível mas ultimamente me vem sempre a Mente, como Pode ser Cativante um Bom Vilão.

Pode não parecer, mas com o passar dos anos você, também passou a valoriza-los mais Confira:

20 casos de crianças selvagens


Não é difícil encontrar casos de crianças selvagens ou mais conhecidas como crianças "Mogli". Temos até na ficção e lendas que contam essas tristes histórias. A principal característica dessas crianças é que elas não tiveram contato algum ou tiveram pouquíssimo contato com humanos, porém tiveram muito contato com animais. Listei aqui 20 dos mais impressionantes casos, confira:


O menino pássaro - Vanya Yudin foi encontrado em 2008 na cidade de Volgogrado, na Rússia. Na época ele tinha 7 anos de idade e vivia num pequeno apartamento cheio de gaiolas de pássaros que sua mãe criava. Apesar de nunca ter sofrido agressões e nem ter passado fome, Vanya era ignorado pela mãe e só podia conversar com os pássaros. Ela o tratava como sendo um pássaro de estimação. Os assistentes sociais que o resgataram logo perceberam que a única coisa que ele sabia fazer era piar e abanar os braços, principalmente quando se sentia ameaçado ou mal compreendido. O "menino-pássaro" acabou sendo recolhido, passou por uma terapia para aprender a falar e a mãe foi processada.

Rochom atualmente.

A menina sumida - em 2007, um homem da Província de Ratanakiri, no Camboja, percebeu que alguns alimentos tinham sumido de uma caixa. Ele e seus amigos entraram na floresta local para caçar o animal espertinho e encontraram o improvável: uma mulher de 29 anos. Levada à polícia, logo foi reconhecida por um dos policiais que era inclusive seu pai. Uma cicatriz nas costas foi a prova. Era Rochom Pn’gieng, a garota que tinha sumido há mais de 10 anos atrás. Segundo ele, aos 8 anos de idade ela e sua irmã mais nova tinham se perdido na floresta enquanto pastoreavam búfalos em 1979. A mulher parecia entender o que falavam para ela, inclusive obedecia ordens e comandos. Apesar de ser submetida à adaptação, ela apresentou muita dificuldade em se ajustar à vida civilizada e acabou fugindo de volta pra floresta. Foi recapturada e novamente integrada à sociedade. Agora ela vive com os pais em casa mesmo, mas se dá melhor com as crianças de seu vilarejo, com as quais aparentemente se sente muito mais segura.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Vingadores 2: A Era de Ultron – OPNIÃO SINCERA COM SPOILERS



Não é fácil chegar e dizer para milhares que vão ler isso: “Não gostei do filme do ano”. Até porque é o espirito do blockbuster, em 90% dos casos, ninguém quer levar um filme assim a sério ou realmente analisa-lo, só quer assistir e rir com os amigos. Ah, mas o que você propõe no texto? Uma crítica? Não, não sou crítico, aqui vou ser apenas alguém que lê Marvel desde primeiro quadrinho que chegou sua mão até os dias de hoje. Só vou tentar, como diz meu nome, ser realista.
Primeiramente, acho que boa parte dos fãs do primeiro vai comemorar: o filme não é “dark” como dizem, nem o Ultron é o “Ultron da Zueira”, pelo contrário, tem até vislumbres eruditos, onde cita Shakespeare ou Nietszche. Visualmente amedrontador, o problema é justamente a maneira um tanto forçada no roteiro que as coisas ocorrem, fazendo com que o filme anterior seja um modelo que eles não conseguiram alcançar. Ao contrário de Loki, que possuía uma vingança por motivos emocionais contra Thor, fazendo seu complexo de deus (mas não era um deus? Formigas tem que ter problemas com as botas?), Ultron é algo superficial desde sua criação. O longa metragem dedica algo em torno de dez minutos de discursão entre Stark e Banner, no qual Stark ansiava por fazer uma linha de defesa contra um próximo ataque. O problema são as contradições já existentes em um universo que se destaca pela interligação: Se não havia muito tempo para desenvolver crivelmente o porquê da existência de Ultron, que o fizesse em uma parte do Homem de Ferro 3, mas segundo esse referido Stark destrói todas as suas armaduras, então, cabe ao telespectador desligar o cérebro sobre Stark explodir todas as suas armaduras para depois pensar em criar uma inteligência artificial que mantenha a paz. Mas antes de pensar nisso, seremos brindados com uma sequencia de porrada cujo único intuito é criar uma origem qualquer para os filhos do Magneto, que agora são apenas “alterados biologicamente”, cuja origem faz até o próprio Ultron quase dormir, é sério, note a cena. O mais divertido mesmo é ver quem falou mal da Fox pelo Mercúrio que ela utilizou no ultimo filme do X-Men, ver que o Estúdio que ele tanto defendeu fez o Mércurio ser o maior bucha do time, assim liberando a barra do Gavião-Arqueiro, agora realmente participante no filme, assumindo até mesmo uma postura de liderança maior que o Capitão. No começo do filme, existia um lindo gancho para Ultron seguir, que seria a real repulsa que as pessoas sentiam em relação as unidades de paz, com elas voltando machucadas para casa, uma cena bem X-men, mas que não serviu a muitos propósitos, já que Ultron decidi destruir tudo sem mais nem menos: nasci > Odeio Stark > Vou destruir a raça humana. Ainda há pequenas pitadas de Weldon, querendo justificar que Ultron se sinta como uma marionete cujo único propósito é cumprir algum entretenimento para seus mestres para ser descartado, Weldon tenta em alguns instantes dar uma seriedade, realmente o entendo, e acho que ele não consegue mesmo é pela pressão gananciosa que os produtores devem exercer sobre ele “Não quero drama, só coloque Wakanda ai”, “Invente um jeito do Ulisses Klaw aparecer”, “coloque o Visão, Máquina de Combate, Feiticeira Escarlate, Mércurio, Nick Fury!!!”... 


E pensar que ainda tinha gente querendo que o Aranha aparecesse, não sei aonde, mas tudo bem. A ação continua, embora ela não emocione como partes do primeiro filme, pela formula já ter se repetido muito, ou mesmo por eles terem uma “batalha épica” a cada vinte minutos em um filme com quase 3 horas. As piadinhas, ponto forte do Weldon em criar situações cotidianas engraçadas envolvendo superseres, como “explicações físicas para se erguer Mjornir” continuam, o que me desagrada, ainda mais do que no primeiro, é que quase nada é levado a sério, fazendo até mesmo o esperado “duelo de titãs” em devidos momentos, mais parecer uma luta do Máskara contra algum vilão, do que algo do porte de Hulk Contra o Mundo. Apenas ria enquanto vê piadas com boa parte das sagas e arcos que já leu, simples assim, eu não consegui, mas provavelmente você vai conseguir, e esforçando-se ainda mais, vai ignorar o romance forçado entre o Banner e a Natasha, cuja única função é o adestramento do Hulk. Viu isso General Ross? Todo esse tempo botando a Betty, jogando o Abominável ou virando Hulk Vermelho... Tudo que precisava era jogar nas mãos da domadora russa, com ela, um simples toque faz a fera virar o príncipe. Muito boa, flecha de adamantium (ou mesmo vibranium) com antídoto pra quê, certo? Ainda temos o Capitão, agora evoluído em questão de golpes e importância na equipe, uniforme melhor e... Quase sem máscara o filme todo? Ah, vamos falar disso depois, o que importa é que dessa vez ele vai para um mano a mano com o vilão, ao estilo que foi com o Loki, em uma cena que lembrou a do trem de Homem-Aranha 2, ambas são muito boas. Capitão também tá com menos cara de paspalho, além de que não tá mais como um enfeite para piadinhas “eu entendi a referência”, Capitão América agora forma combos alucinantes com o Thor no melhor estilo beat up, parece até o game “Marvel Ultimate Alliance”. Ah, o Borgo tinha razão: “Thor está hilário”, com esse personagem eu nem fico mais zangado, sempre foi isso, não vai além disso, e como eu disse, agora pelo menos faz combos com o Capitas, o resto os efeitos especiais preenchem. Viúva Negra ganha  certa “profundidade”, estaria a Marvel Studius pensando em fazer um filme sobre o passado negro da espiã em um filme sobre espionagem e sacrifícios? Ou um filme com lutas sérias e sangrentas do Hulk se tornando gladiador? São retóricas, por favor. Em resumo, a Marvel prometeu ousar, porém tudo que entregou foi um filme quase idêntico ao primeiro, só que com toques de “Soldado invernal”, ela fica indecisa entre entregar um stand up como o primeiro filme, ou sequências de ação ao estilo James Bond que foi Soldado Invernal, ao tempo que vai comprimindo o maior número de personagens para te dar a falsa sensação de que ela vai conseguir em próximos filmes reunir efetivamente centenas de personagens como ela faz nas mega sagas. Só gostaria de constar, que ao contrário de muitos que subjugaram a saga escrita pelo Bendis que dá subtítulo ao filme, eu achei ela bem inventiva e levantadora de bons dilemas morais, além de fugir de uma batalha final de frente ao inimigo envolvendo splash pages. É uma das ironias da vida, o mesmo sujeito que vai pagar de intelectual dizendo que depois de “Guerra Cívil” a Marvel não lançou mais nenhuma mega saga que preste (??!!!) é o primeiro a sair “extasiado” perante a experiência de “ver seus heróis na telona” porque “Não há época melhor para ser nerd” e “os maiores inimigos da Marvel são a Sony e a Fox”. Outra ironia da vida, para finalizar esse texto que vai levar 50 pedras nos comentários: O mesmo sujeito que diz que em Homem de Aço o Super-Homem é um inconsequente destruindo a cidade em uma luta, será o primeiro a aplaudir sequências de luta entre o Ultron e o Capitas dentro de um trem cheio de pessoas, ou mesmo o Homem de Ferro e o Hulk lutando no meio da feira ao melhor estilo The Kings of Fighters. Agora é só a gente esperar o próximo filme baseado em HQ que não seja da Marvel Studius para a gente o descrever como “pretensioso” ao tempo que entrega os preciosos 2 BI em arrecadação para Vingadores. Divirtam-se.




segunda-feira, 20 de abril de 2015

SEMPRE EM FRENTE?

Está lá o velho puto rabugento que vós escreve fazendo o seu trabalho de ligar alguns ar-condicionados e abrir salas para alunos, quando vê uma criança com um livro “Sempre em Frente” do autor Roberto Shinyashiki na mãos, em uma leitura concentrada. Uma criança na 6° série, lendo um material desses?”.
-- Esse é aquele livro que te diz para seguir em frente e superar todos os obstáculos, não importado o que aconteça? Para acreditar em si sempre? – Interrompi.
-- Caramba, tio, é esse mesmo, o senhor já leu ele também?! -- Perguntou a criança com um brilho nos olhos.
-- Não. Só ouvi falar, e achei estranho um rapaz na sua idade já com esse tipo de leitura, quem lhe deu esse livro?
-- A minha mãe.
-- Isso explica. Vou abrir as outras salas.


sexta-feira, 17 de abril de 2015

“É realmente surpreendente que o homem mais poderoso do mundo seja uma figura controversa?"



video

E esse é o motivo pelo qual eu vejo mais coerência nos filmes da DC. Eles realmente trabalham de maneira realista a consequência de uma história para outra. Isso é poético, ao mesmo tempo em que é realista. Isso sim é humano, nos põe não como um leitor, mas como um real participante do enredo que se questiona no mínimo "qual o meu papel nisso, se tudo isso fosse real?", acho que quando um diretor ou escritor, conseguem trazer esse pensamento, é uma enorme vitória da arte na vida das pessoas. Não só te entreter, não só te fazer rir, não só ser um filme do momento, mas transcender essa barreira que faz os quadrinhos serem vistos como subgênero, e não literatura. Snyder guardou o máximo que pode, pois sabe possuir o que parecer ser o trabalho de sua vida. Mas do que isso, a virada de mesa contra a hegemonia da Marvel e como as coisas são encaradas. Estou muito orgulhoso desse material, muito mesmo, fazia tempo que eu não me envolvia com um trailer dessa forma, o ultimo que me propiciou expectativa semelhante, mas ainda menor em comparação com esse foi Homem de Aço. Quando um trabalho de um autor te tira da zona de conforto, te envolve em centenas de referências, a melhor escolha é tentar aprender o máximo. 

INJUSTICE?
Filmes divertidos são bons também. A primeira vez que eu vi Vingadores eu fiquei extasiado. Vi um novo padrão de filme surgindo, apesar de não ter gostado desde primeira da cena do Loki sendo sacudido pelo Hulk, não sem uma luta entre ambos. Na segunda vez eu já já achei graça em algumas partes, mas ainda continuei gostando de cenas como o Tony Stark falando com o Loki na mansão. Na terceira, saído à euforia, já comecei a contar erros no filme, vários mesmo, e não me empolgar tanto. Na quarta, eu já estava ciente de que o filme não levava o público a sério, que era só uma sequência de ação e computação gráfica muito bem feita, mas sem um roteiro formidável sustentando tudo. Já não consigo dizer o mesmo de The Dark Knight do Sr. Nolan. Em Begins há falhas, em Ressurge mais ainda, continuam ótimos filmes, mas não a mesma coisa. Acredito, pelo trailer, que a Warner está para lançar algo que nivele ou supere Cavaleiro das Trevas. Então, não, não é só um trailer, é de verdade o alvorecer da justiça aos quadrinhos como algo cultural, não apenas “pop”.


quinta-feira, 16 de abril de 2015

QUANDO EU DIGO QUE MORO EM GOTHAM...


As pessoas não acreditam. “Gotham é fictícia cara, é muito absurda para existir”, mas na minha cidade, os índices de criminalidade, analfabetismo e mesmo situações das mais absurdas quase todos os dias, só faz com que eu me lembre de Gotham. Não, aqui não tem nenhum palhaço terrorista, ou vigilante que se torna uma lenda, mas é tão absurdo quanto. Esse post é só mais uma historinhas das coisas que acontecem semelhantes ao “projétil de Calibre 12”;

ENTENDENDO PARA PODER CRITICAR

Houve um tempo em que eu odiava irracionalmente os evangélicos. Não queria ouvir sobre eles, ter eles perto e por ai vai. Mas ai eu era jovem, tinha uns 13 anos, e aprendia com a minha avó (um exemplo de pessoa, porém intolerante com algumas coisas, de certo modo ela ainda é uma grande referência de comportamento e caráter para mim, se não a maior) detestava evangélicos. Sempre foi católica e não os tolerava, nem mesmo escutava o que eles vinham dizer quando batiam de porta em porta para pregar. Eu tinha uma visão muito unidimensional da coisa, por só ter conhecido falsos evangélicos, ou seja, sociopatas que não tem consciência mínima do mal alheio que causam, e acham que Deus já tem um lugar marcado para elas no céu. Um exemplo são aqueles que constroem um local de culto, e ao invés de ficar com aquilo de modo tranqüilo, faz questão de estrondar com caixas de som, perturbando a ordem local da rua toda. Não RACIOCINANDO que ali tem idosos, crianças de colo e trabalhadores que dormem cedo, pois acordam entre as 4 e 6 do outro dia. Mas ai um belo dia, em um dos meus primeiros empregos, eu tomei conta de uma loja de produtos evangélicos. CDs e DVDs. Tudo pirata, mas quem ai nunca comprou nada pirata, certo? Eu tinha 13 anos. Pensei que eles fossem tirar o meu couro lá, mas para a minha surpresa, conheci boas pessoas, respeitosas, muitas nem se importavam se eu tinha religião ou não, só aconselhava para nunca usar drogas, me prostituir, roubar ou matar. Muitos até que diziam isso, davam o seu “testemunho” de como fizeram tudo isso há anos atrás, e como a igreja mudou a vida deles. Foi ai que vi o outro lado da coisa, a função educativa, acolhedora que a igreja tem sobre a sociedade, independente da religião. Cheguei até a ir durante quatro meses para a igreja evangélica, assistia pregações de pastores como Silas Malafaia ou Marcos Feliciano quase diariamente. E de música, eu entendia bastante nesse tempo, gostava de escutar Marcos Antônio, J Neto, Shirley Carvalhaes, Lázaro, Dj Alpiste e por ai vai. Entrei mesmo no mundo deles, para ter certeza se realmente eu não concordava, e no final, sim, eu não concordava, justamente pela parcela massiva de sociopatas envolvidos, embora eu respeite de coração verdadeiros evangélicos, esses sim fazem diferença no mundo, embora sua parcela seja ínfima.

BANALIZAÇÃO DO EVANGELISMO


Até ai, acho que por 2007, estava até tudo “tranquilo”, o que ocorreu a seguir foi o que eu chamo de “banalização do evangelhismo”, em boa parte, infelizmente pelos evangélicos. Não sei de quem partiu essa ideia, mas o que se sucedeu foi que houve um processo de massificação dos evangélicos, e como eles atingiram isso? Misturando tudo e ainda e aumentando o complexo de superioridade deles. O Gospel, deixou de ser uma espécie de MPB envolvendo temas cristão e foi para o lado da eletrônica, funk, sertanejo, forró (é sério, pesquise) e muitas “sedes” focaram no público mais vulnerável a se convencer rápido: os jovens. Fui algumas vezes em uma dessas arenas, que funcionam aos sábados, e todos os cultos que pregavam uma vida honrada, foram simplificados em baladas, com direito a rodinhas, trenzinhos e tudo o mais. “Ah Ozzy, os caras estão tirando os jovens das ruas, além de estarem ensinando algo”, agradeço o seu positivismo, mas nas vezes que eu fui, coincidentemente o que eu vi foi festa por festa, com a Bispa fazendo citando poucos trechos da bíblia, e o que os que citavam, deixava alguma coisa no ar, até salvei, eram algo como:

1.  Deus quer algo que você tem.
2.  Guarde o que se tem para a pessoa certa.
3.  Deus me alimenta no deserto.

Os jovens ficam por ai arrecadando, a as sedes que começam como uma pequena garagem, logo tomam quase todo o quarteirão. Nisso vão se abrindo outras e outras, a própria Bispa disse algo como “Pessoal, vamos nos movimentar, para a próxima sede abrir, vou contar com o esforço de vocês”, A BISPA. Não sou eu, ela mesmo dizia assim explicitamente.


COMPLEXO DE SUPERIORIDADE


Como assim? Eles são superiores? Não são, mas acham que são. Qualquer coisa fora do mundo deles, é considerado “do mundo”, que pode-se traduzir como: vulgar, obsceno, impróprio, inadequado. Um exemplo simples e bem conhecido: próprios desenhados animados. Até mesmo no Simpson há uma piada com esse tipo de comportamento, que é o Flanders, vizinho do Homer. Infelizmente, aquilo é cada vez mais comum. Lembro que tinha um episódio dos Simpsons, em que Homer tirava um giz de dentro do cérebro, e descobria ter raciocínio de um gênio. Uma das coisas que ele fazia era escrever em papeis sobre o “por que Deus não existia” e sair distribuindo entre carros. Flanders lia, concordava, mas mesmo assim saia tirando os papeis. Piada excelente que retrata o comportamento cego que o ser humano por ter. O complexo se amplia, quando o comparecimento é pontual todos os Domingos, a cordialidade entre os seus é impecável e o dízimo pago em dia. Isso faz com que esse indivíduo, se ache realmente destacado, ao ponto de ter uma vista grossa para a maioria de seus atos. O mesmo que no Domingo doou roupas que ia jogar fora e avisou a todo mundo que fez isso, fora dali passa com nojo de qualquer mendigo, fica apático. Que foi cordial com todos na igreja, mas odeia pessoas, gosta de atingir elas, sabotar elas e por ai vai, e não se percebe disso. Pratica atos corruptos e, no entanto diz “me perdoe meu Deus” quando se tocam...


DEUS ESTÁ COMIGO, TODO O RESTO ESTÁ REPREENDIDO


Toda essa “introdução” nos leva ao dia de ontem, como eu citei no começo, dos absurdos da cidade. A principal avenida da cidade é um constante alvo para qualquer baderna, já que provocando um congestionamento em pontos chaves nela, praticamente boa parte da cidade é afetada. Estou eu lá no ônibus, lendo tranquilamente o meu “Mercenário – Anatomia d eu Assassino” quando percebo que há mais de uma hora que o ônibus não sai do lugar. Já esperava que fosse outro protesto quando vi a fila apocalíptica de ônibus. Mas decidi ser calmo dessa vez, eu tava sentado, tinha acabado de comprar quadrinhos, então estava controlado. Só que chegou um momento em que não deu mais para ignorar a situação, o calor cada vez mais ofensivo, barulho por todos os lados, que porra é essa que ta acontecendo? Após esperar mais, decidi descer do ônibus e ir conferir o que estavam falando sobre tudo ter sido bloqueado por causa do lançamento de UMA IGREJA. Como assim uma igreja parar o trânsito da cidade? É quando uma senhora no banco de trás ao meu, assistindo ao telejornal pelo celular, informa que a quantidade de pessoas na igreja era exorbitante, que muitos “fiéis” que foram na igreja estacionaram carros e até mesmo ônibus na passarela em que passa os coletivos, que lá estavam os Bombeiros, Polícia Militar, imprensa e o Sistema Municipal de Trânsito.

PERCEBE AONDE ENTRA AINDA MAIS SOCIOPATIA?


Eu como organizador, faço uma coisa totalmente sem organização, só penso em lucrar e aparecer, e não consigo comportar todo mundo. Para todo mundo que está do lado de fora, eu mando colocar um telão.

Eu como fiel, não me importo com o direito de ir e vir das pessoas. Se eles discordam, é porque estão indo contra a minha fé, se vão contra a mim fé é porque estão com o inimigo, traduza-se Lúcifer.

Eu como um fiel com mais recursos, não me importo em ter que procurar um estacionamento para colocar meu automóvel. Vou colocar ele ali obstruindo tudo mesmo, que se foda tudo, porque “Meu Deus está comigo”.

Eu como fiel mal educado, não obstante a tudo o que eu fiz, vou sujar a rua toda, para os garis, que devem ser uns cornos desocupados, terem que trabalhar quatro vezes mais sem ganhar nem o dobro.

Aí ficamos nisso, quase ninguém liga. Não audiência. Agora se alguém se indigna e passa-se por cima de vários, alguém tivesse infarto no trânsito, ou mesmo tivesse alguma falha e a igreja pegasse fogo, com toda aquela multidão presa lá dentro por uma multidão lá fora, presa por uma multidão em carros... Aí sim seria notícia nacional, com direito a aparecer no Fantástico, virar a febre de discussão do momento e situações assim seriam evitadas e punidas. Brasil. O link com uma reportagem, o vídeo dá uma ideia da dimensão.




terça-feira, 14 de abril de 2015

26 SONS IMERSIVOS VOL. 3


Não se trata só de música. Trata-se da tentativa de se condensar a mais escapável das emoções em alguns minutos de sonoridade. O que mais se vai como areia entre nós do que a felicidade e o amor? Tão semelhantes, mas não idênticos fadados a serem confundidos com a mesma função. Música? Qualquer ruído ou batida pode ser chamado disso, mas aquela arte que flui na nossa alma como um perfume perdido na infância... Isso é árduo obter. Cada qual com seu estilo, e principalmente estado emocional a receber determinada sonoridade, foi formando junto comigo esse quebra-cabeça multicultural que esse projeto se tornou, ao ponto de cada volume ter ultrapassado o anterior, em ritmo que futuramente, o Vol. 12 em dezembro (se conseguirmos) será a fechada de arco perfeita... Fernando Pessoa certa vez escreveu no começo de seu supremo poema:

“Não sou nada.
Nunca serei nada.
A partir disso tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

Se ele apenas desistisse de escrever além desses versos, já teria conseguido expor o que é nossa existência, mas como sabemos, ele foi além, talvez mais além do que qualquer outro poeta. Infelizmente eu não sou nenhum gênio precoce incompreendido, apenas tento, aos poucos, retribuir o pouco que me passaram na vida. No final é isso que acabou sendo esse espaço, um lugar onde pode extravasar minha criatividade quando ela bate a minha porta. Com esse disco, eu anuncio que 25% do Projeto Ozymandias já foi feito. Até dezembro teremos os outros 75%, com sorte até lá, alguns aprendam e me ensinem várias coisas.
Minha seleção trouxe um enfoque no quão breve é a felicidade, nossas pretensões de viver como se não fosse haver amanhã, enquanto não paramos para pensar no que vem a seguir. Lutas se vão, cicatrizes ficam, nossas ideias continuam como uma luz que se ascende, nos declaramos que não podemos viver sem algo, ansiamos o paraíso ao tempo que nos desiludimos, e por fim declaramos ao vazio o nosso amor perdido. Isso é viver.


Playlist vol. 3

01.     Help –-- BEATLES
02.City –-- HOLLYWOODUNDEAD
03.Reação(Panela II)--- BNEGÃO E SELETORES DA FREQUÊNCIA
04.I Will Not Bow ---  BRAKING BENJAMIN
05.O que Está Feito Está Feito --- MATANZA
06.Felicidade –-- LUIZ TATIT
07.Podres Poderes –-- CAETANO VELOSO
08.Não Sei o que Fazer comigo --- VESPAS MANDARINAS
09.Um dia Após o Outro --- TIAGO IORC
10.Como Nossos Pais --- BELCHIOR
11.Heaven's Divide (Metal Gear Solid) --- DONNA BURKE
12.Dream On --- AEROSMITH
13.Can't Touch It --- MC HAMMER
14.Love Bites --- JUDAS PRIEST
15.Strangers Like Me --- PHIL COLLINS
16.Hotel California --- EAGLES
17.Highway Star --- DEEP PURPLE
18.Clandestino --- IRA
19.Sultans of Swing --- DIRE STRAITS
20.Cause We've Ended as Lovers --- JEFF BECK
21.Put a Light On –- GENERATIONALS
22.City of Scars  --MADELYNN ERA
23.I Can´t Smile Without You –- BARRY MANILOW
24.Raindrops Keep Falling on My Head – B. J. THOMAS
25.Heaven –- TALKING HEADS

26.Eu Sei Que Vou Te Amar – TIM MAIA


Abaixo os vídeos com as músicas da lista que eu escolhi:

LUZ DA IDEIA E UM CAMINHO A SE PERCORRER PARA SE REALIZAR


AULA DE FÃ FILME



NOSTALGIA DE HELLBOY II



VIVENDO CADA DIA POR VEZ



O QUE É O PARAÍSO?


FIM






P.S: Quero ver um dos meus ex-vizinhos dizerem que não acharam o link para download dessa vez--

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CENTOPÉIA-HUMANA 3 – TRAILER


Só vim assistir a esse tão “famoso” filme que promete ser uma das coisas mais nojentas que você vai ver na vida (para muita gente, realmente é) no ano passado. Eu ia colocar o filme para download no Melhores e Piores de 2014, mas acabei colocando outro filme como pior filme. Tem gente que gosta, de qualquer forma, é inegável, que apesar do roteiro vago, o filme sabe trabalhar com o medo e angustia de quem assiste, é o tipo de filme que tem a qualidade de não fazer com que você assista e enxergue só mais um filme. Ou você detesta, ou vê nele uma obra que revoluciona a maneira que encaramos filmes de horror. Não assisti a sequência, que dizem ser ainda mais macabra, provavelmente eu nem assista, mas ai está o trailer do três, que promete ser a parte final. Destaque para os protagonistas do primeiro filme e do segundo, que fazem uma espécie de crossover, sem ser eles mesmos, mas outros personagens (???!!!), ah desliga o cérebro por dois minutos e encare:



O feitiço virando contra o feiticeiro-médico-nazista-caçador-ator de filme-que não é mais ator de filme?

Silêncio fazendo uma participação especial? Se esse não fosse um filme muito bem elaborado... Eu diria que ele é tão previsível que já resumiu tudo no trailer, esse cara mesmo vai se soltar e agitar uma rebelião--