segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

LIGA DA JUSTIÇA VS ESQUADRÃO SUICIDA #01




“O poder não corrompe. Medo corrompe... Talvez o medo de perder o poder.”

Roteiro:
Josua Williamson

Desenhos: Jason Fabok

Editora: DC (Rebith)

Tamanho: 53 MB

Nível: ☆☆

Nós não procuramos enredos complexos nesse tipo de trabalho. Queremos ver porrada. Um MMA imaginário apostando se “A” ganha de “B”. Esse quadrinho se trata do que a internet mais gosta, que é “treta”, foda-se qualquer motivação ou desenvolvimento. E já que é treta, primeiro o beat pra ela:












Bem, o Batman do Rebith, além de constantemente fazer manobras fisicamente impossíveis, tais quais sair com uma moto dentro de um carro normal que se abre em dois, ou segurar uma ponte com algumas turbinas que crescem (?!) parece que andou assistindo Esquadrão Suicida em suas horas vagas, e inspirado pela bela ameaça de BeN Afleck sobre Viola Davis (aliás, que atriz porreta!) sobre chamar seus superamigos para lidar com o bonde de vilões desajustados.


Avisada a Liga, todos ficam atônitos. Mas como?! Estão prendendo os vilões e eles não estão sendo reintegrados? Que tipo de justiça é essa? Para quem entregá-los?
Nisso, em outro plano, temos um dia comum do Esquadrão. Agora seu elenco é quase todo parecido com o do cinema, exceto um detalhe que faz todo peso: há um excesso absurdo de personagens. Em batalhas, o leitor não lembra nem de metade que ta em ação, vale mencionar que o escritor Josua W. tenta dar pausas para “momentos cômicos”, que causam uma certa quebra de narrativa, como na página abaixo. O desenhista Jason Fabok, melhorou muito sua arte nos últimos anos, havia feito um trabalho impecável com o arco do retorno de Darkseid na Liga dos N52, mas aqui se mostra um pouco desconfortável desenhando o Esquadrão, é bem nítido o nível de detalhes de um grupo para outro, talvez não quando estão se confrontando (afinal o cara não quer perder o emprego), mas em tomadas separadas é perceptível.
Isso foi uma cantada?

Já ia esquecendo, há também um plano de um vilão que ninguém liga, que mata de maneira absurda dezenas de figurantes, para por fim recrutar alguns rostos... He He He... Maiorais conhecidos. E o termino com a ameaça do Pistoleiro “Nós podemos ser mais fracos, mas temos um diferencial de vocês: nós matamos.” Já imaginou o Super-Homem escutar uma dessas? Deve ter se intimidado na hora e caído fora do quebra-pau, ou mesmo o Aquaman...
Agora, como um conto, que começa com a frase que dá inicio ao post, com capas de monstros sagrados como Lee Bermejo e Gary Frank (eleitos por mim, como o melhores desenhistas de 2014 e o melhor de 2015, respectivamente), e arte do Fabok, vira isso? Aguardemos a próxima edição!




Nota: 3,2

 https://mega.nz/#!SUM13RKT!7ZrlzEvYoljlvFBIc_7LKcqWw3sQabQXhjQh8FASB0s

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hmm

Passaram por aqui:

Flag Counter