quarta-feira, 15 de março de 2017

Maratona Novos 52 - Universo Liga da Justiça Parte 2


Análise de Capitão Átomo #1-6, do encadernado Captain Atom: Evolution, com roteiro de J.T. Krul e desenhos de Freddie Williams II, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #1: Enquanto enfrentava um vilão relativamente fácil, o Capitão Átomo sente seus poderes falhando e vai até a base de pesquisa no Kansas falar com seu mentor, o Dr. Megala. Porém, sem muito tempo, segue para Nova York para deter uma erupção vulcânica provocada por um raro e forte terremoto.

Edição #2: Nathaniel Adams, ex-piloto submetido voluntariamente a teste com o Campo Quântico, se tornou o Capitão Átomo, cuja extensão dos poderes ele descobre a cada dia. Dessa vez, até mesmo curou uma criança de um tumor cerebral.

Edição #3: Depois de salvar a vida de Mikey, o Capitão Átomo realiza uma série de salvamentos, mas começa a se questionar até que ponto ele poderia intervir em situações críticas. Na Líbia, encontra com Flash que o indaga sobre seus poderes, quando precisa lidar com uma ogiva nuclear.

Edição #4: O General Eiling tenta usar o Capitão Átomo como uma arma de guerra, mas Nathaniel recusa e vai embora de volta ao Continnum. Lá, se encontra com sua amiga e cientista Ranita Carter. Quando ela o toca, suas mãos se queimam.

Edição #5: O General Eiling se dirige à Washington atrás de uma assinatura energética similar a do Capitão Átomo. Nathaniel resolve se dirigir até a capital e se depara com uma enorme criatura orgânica que absorveu uma cidade inteira.

Edição #6: Nathaniel descobre que a criatura monstruosa era, na verdade, um dos ratos de laboratório submetido aos mesmos experimentos que ele, por isso, as similaridades energéticas. Infelizmente, o Capitão Átomo não tinha como permitir que a criatura continuasse a se expandir indefinidamente.

Cercado pela intolerância, o ex-piloto Nathaniel Adams tenta conviver em um mundo que o repele, enquanto descobre mais sobre seus poderes e seu novo papel no mundo. Questões filosóficas interessantes em se tratando de um ser tão poderoso quanto o Capitão Átomo. Leitura altamente recomendada

Análise de Nuclear #1-6, do encadernado The Fury of Firestorm – Nuclear Men: God Particle, com roteiro de Gail Simone e Ethan Van Sciver e desenhos de Yildiray Cinar, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #1: Jason Rusch é o gênio nerd. Ronnie Raymond é o astro de futebol. Ambos se detestam, mas se quiserem sobreviver, terão de se transformar em algo... nuclear. Perseguido por um grupo de mercenários contratados por uma corporação inescrupulosa, por estar em posse de uma fórmula poderosa criada pelo falecido Professor Martin Stein, Jason convoca os poderes do Nuclear, mas não sozinho.

Edição #2: Agora não há mais volta. Jason e Ronnie, juntamente com sua colega de escola Tonya, estão sendo caçados pela equipe de elite Hiena e procurados pela polícia, e tudo por causa dos Protocolos Nuclear do Prof. Stein.

Edição #3: Depois de derrotar a Hiena, Jason e Ronnie são obrigados a convocar o Fúria para enfrentar Hélice, o primeiro experimento humano com os protocolos Nuclear, e marido de Candance Zither, a responsável por trás desses ataques.

Edição #4: Mikhail Arkadin, co-criador do Protocolo Nuclear ao lado de Martin Stein, não está contente de saber que seu projeto foi roubado e está sendo negociado no mundo todo. Jason leva Tonya, ferida, ao hospital mais próximo enquanto que Ronnie vai atrás de seus familiares.

Edição #5: A diretora Zither convenceu o pai, mas não totalmente a Jason sobre seu projeto de um país seguro com a presença de um Nuclear. Eles são convencidos a participar de uma apresentação, mas percebem tarde demais que tudo não passava de uma armadilha com consequência trágicas.

Edição #6: Arkadin, o Phozar está caçando Nucleares ao redor do mundo e seu próximo alvo são os dois Nucleares americanos – Ronnie e Jason. E para piorar a situação, Phozar acha que os dois foram os responsáveis pela destruição no estádio que dizimou duas mil pessoas.

Nos Novos 52, Nuclear tem uma versão bem diferente da original, incluindo sua origem e até mesmo as pessoas que o formam. A trama é baseada em terrorismo corporativo e foi escrito para ser impactante, mas poderia ter sido melhor. Leitura razoável.

Análise de Senhor Incrível #1-8, do encadernado Mister Terrific: Mind Games, com roteiro de Eric Wallace e desenhos de Gianluca Gugliotta, Scott Clark e Oliver Nome, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #1: Michael Holt passou por uma tragédia familiar, e agora defende a justiça com sua inteligência e recursos tecnológicos. Em Los Angeles, algumas pessoas estão sendo mentalmente afetadas e sua capacidade de raciocínio é ampliada de modo descontrolado.

Edição #2: Com sua mente misteriosamente dominada, Holt aciona uma poderosa máquina que cria ondas causando grandes abalos sísmicos, mas consegue reverter o processo. Depois disso, o Sr. Incrível tenta descobrir o que está acontecendo e quem é o responsável. Antes que pudesse efetuar seu próximo passo, Michael é surpreendido pelo Tormenta Cerebral.

Edição #3: Decidido a acessar os cérebros de todo mundo, apenas a astúcia do Sr. Incrível pode parar o Tormenta Cerebral.

Edição #4: Atormentado com os últimos acontecimentos, Michael se retira para a Nona Dimensão onde fica seu santuário. Porém, ao chegar lá, é aprisionado pelos Kryl e levado a uma prisão intergaláctica povoada por uma multidão de seres alienígenas.

Edição #5: Michael liberta os prisioneiros e lutam pela liberdade. Percebendo que não conseguirão conter a rebelião, os Kryl decidem abandonar a nave-prisão e erradicá-la. Apenas uma prisioneira que se considera uma aberração tem o poder para salvá-los.

Edição #6: É Dia dos Namorados, e depois de escolher seu sucessor como dono das Indústrias Holt, Michael viaja até a Islândia para visitar uma de suas instalações, quando o trem em que viajava é atacado por um mercenário francês meta humano.

Edição #7: Houve uma invasão de segurança nas Indústrias Holt. Enquanto isso, o Sr. Incrível investiga um cargueiro abandonado que foi parar no Porto de L.A. com cargas explosivas!

Edição #8: As Indústrias Holt são atacadas por uma ameaça cibernética e conhecida. Mesmo depois de derrotar o invasor, antes que pudesse comemorar, o Sr. Incrível é cercado pelos Falcões Negros por causa da tecnologia das Esferas-I.

O Senhor Incrível durou apenas oito edições até ser cancelada, mas deixou um bom inicio de arco. Além disso, a trama na Nona Dimensão traçou paralelos interessantes entre a escravidão e o preconceito, pontos altos da revista. Leitura interessante.

Análise de Universo DC Apresenta #1-8, do encadernado DC Universe Presents: Featuring Deadman and Challengers of the Unknown, com roteiro de Paul Jenkins e Dan Didio e desenhos de Bernard Chang e Jerry Ordway, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Desafiador #1-5.
Edição #1: Boston Brand foi um acrobata arrogante assassinado durante uma apresentação. Mas sua vida não havia chegado ao fim, pelo contrário, recrutado pela deusa Rama, Boston recebeu a oportunidade de redenção ao ajudar pessoas com vários tipos de problemas.


Edição #2: À medida que busca respostas para suas dúvidas, Boston passa a desconfiar das motivações de Rama e invade o sobrenatural Clube Moonstone, procurar o livro que conta toda a sua vida.

Edição #3: Desafiador consegue arrancar o livro de sua vida e algumas informações da Bibliotecária, que o levam até o Filho da Manhã.

Edição #4: O momento que Boston Brand tanto aguardou, a descoberta de sua existência e do destino que Rama lhe imputou. Um passeio pelo desconhecido em forma de questões filosóficas pode colocar o Desafiador na perspectiva correta... ou despertar a ira de Rama.

Edição #5: Boston Brand faz o inconcebível, desafia Rama em um assunto que sempre foi o âmago da questão, mas que nunca havia sido trazido à tona.
Excelente história que aborda temas existenciais de maneira instigante. Afinal, o que deveria nos mover – a busca pelas respostas, ou pelas perguntas? Leitura altamente recomendada.

Desafiadores do Desconhecido #6-7
Edição #6: Os Desafiadores do Desconhecido, um reality show que tenta renovar sua audiência vai ao Himalaia. Lá, seu avião é derrubado e, a partir daí, mistérios e perigos rondam a equipe.

Edição #7: Os Desafiadores retornam à Metrópolis, mas sem Clay e Ace desaparecidos. Eles juram ter conhecido uma cidade chamada Nanda Parbat, mas não conseguem provar. Porém, o amuleto Espiral pode ser a chave para seu sucesso. Próxima parada – Alemanha, para conseguir o segundo talismã.

Edição #8: A busca pelo terceiro talismã, na Bolívia, fez mais uma vítima nos Desafiadores. Porém, quando o quebra-cabeças estava para ser montado, uma entidade usando o corpo de Ace Morgan resolve intervir e reclamar os amuletos para si.

A versão dos Desafiadores do Desconhecido para os Novos 52, com um toque contemporâneo, sendo apresentado como um reality show de aventura e sobrevivência. Leitura satisfatória.

Análise de O Selvagem Gavião Negro #1-8, do encadernado The Savage Hawkman: Darkness Rising, com roteiro de Tony Daniel e desenhos de Phillip Tan e Cliff Richards, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #1: Carter Hall trabalha como criptologista em um laboratório de pesquisa liderado pelo Prof. Ziegler, que tem se especializado em achados arqueológicos alienígenas. Em um desses achados, uma terrível criatura, Morphicius é liberada.

Edição #2: Após um confronto violento, Morphicius foge. Mais tarde é levado ao misterioso Dr. Kane que tem planos malignos para a criatura e um vírus letal.

Edição #3: Carter descobre a verdade sobre a chegada e a existência de Morphicius, que na verdade, se trata de um organismo que propaga destruição.

Edição #4: O Gavião Negro precisa parar Morphicius antes que ele espalhe sua praga contaminando a Terra toda.

Edição #5: Um livro antigo e aparentemente sem valor, esconde os segredos do Orbe da Morte. O Gavião Negro precisa desvendar esse mistério antes que o Fantasma Fidalgo se apodere dele.

Edição #6: O metal Enésimo no corpo de Carter é capaz de rastrear o Orbe da Morte. Mas, antes que o Gavião Negro possa pegá-lo, Jim Craddock, o Fantasma Fidalgo se apodera do artefato.

Edição #7: Craddock pretende retornar ao mundo dos vivos utilizando o Orbe, mas se isso acontecer, todo ser vivo em um raio de muitos quilômetros serão automaticamente dizimados.

Edição #8: Askana, a assistente transmorfa do Dr. Kane pede ajuda ao Gavião Negro para salva-la de alguns caçadores alienígenas.

O escritor Tony Daniel desenvolve os dois primeiros arcos do Gavião Negro pelos Novos 52, deixando algumas questões a serem resolvidas, principalmente no que se refere à origem do guerreiro thanagarianno. Leitura satisfatória.

Análise de Liga da Justiça Internacional #1-6, do encadernado Justice League International: The Signal Masters, com roteiro de Dan Jurgens e desenhos de Aaron Lopresti, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #1: Gladiador Dourado, Gelo, Vixen, Fogo, Soviete Supremo, Augusto General de Ferro e Godiva, a Liga da Justiça Internacional formada por heróis de vários países e sancionados pela Nações Unidas para servir como uma força-tarefa supervisionada. Sua primeira missão, encontrar um grupo de expedição desaparecida no Peru... além de tentarem uma convivência razoável.

Edição #2: Ao chegar ao Peru, o grupo de separa com uma criatura gigantesca e é derrotada de modo humilhante. Guy Gardner resolve se juntar à Liga, que já contava com o auxílio do Batman. O problema é que, há mais dessas criaturas e, além disso, explodiram a Sala da Justiça.

Edição #3: Gladiador Dourado divide a LJI em quatro grupos para cobrir o Peru, a Rúsia, o Canadá e África do Sul, onde os quatro gigantes estão transmitindo uma espécie de sinal para fora do planeta. Guy segue esse sinal e se depara com uma gigantesca e ameaçadora nave.

Edição #4: Capturados, a LJI conhece Peraxxus, um coletor que deseja levar todo o minério do planeta. Agora, os quatro gigantes foram acionados e o processo de destruição da Terra começou.

Edição #5: Restam menos de três dias para Peraxxus esgotar por completo os recursos naturais da Terra. A LJI precisa agir sem demora e se dirigem ao espaço para tentar invadir a nave e deter o poderoso parasita.

Edição #6: Depois de expulsar Peraxxus, é hora da ONU decidir se o grupo irá ser oficializada ou extinta em definitivo.

Estreia da Liga da Justiça Internacional às mãos do veterano Dan Jurgens, que também escreveu esse título nos anos 90. Para quem esperava algo no tom da antiga Liga da Justiça “cômica” deve ter se decepcionado. Leitura razoável


Por Roger



Nenhum comentário:

Postar um comentário