.

Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Megapost: Coleção Graphic Novels Marvel #51-60 (Editora Salvat)



Graphic Novels Marvel #51 – Capitão América – Morre Uma Lenda, que reúne as edições especiais Fallen Son: Wolverine, Avengers, Captain America, Spider-Man e Iron Man, lançado pela Editora Salvat. 


Análise:
Após o final da saga Guerra Civil, Steve Rogers foi assassinado. Como a comunidade de super-heróis irá reagir a esse trágico evento? Com a ajuda do Dr. Estranho, Wolverine invade o Aeroporta-aviões da SHIELD a fim de ver com seus próprios olhos o corpo do Capitão América. A seguir, os Vingadores se reúnem para um jogo de pôquer, após extravar em cima de um grupo de vilões. Tony Stark oferece o escudo do Capitão para Clint Barton, o Gavião Arqueiro. Ao visitar o túmulo do tio Ben, o Homem-Aranha acaba enfrentando Rino mesmo sem a intenção dos dois de se confrontarem. Por fim, após o funeral, Tony Stark presta suas últimas homenagens.

Cada edição é focada em um personagem ou grupo e abordam os cinco estágios do luto – negação, raiva, barganha, depressão e aceitação, exatamente nessa ordem. Um trabalho meticuloso e emocional. O escritor Jeph Loeb, que já perdeu um filho, sabe muito bem os fortes sentimentos derivados de uma perda tão profunda. Ele soube muito bem transportar esse assunto de uma forma coerente e sensível, humanizando os heróis de uma maneira que o leitor pode se identificar. Cada edição trouxe um grande desenhista – Leinil Yu, Ed McGuinness, John Romita Jr, David Finch e John Cassaday. Embora não sejam unanimidade, são desenhistas reconhecidos no mercado de HQs. Um belo e merecido tributo ao Sentinela da Liberdade. Leitura altamente recomendada.

Graphic Novels Marvel #52 – Thor – O Renascer dos Deuses, que reúne as edições #1-6 da revista Thor (2007), escrito por J.M. Straczynski e desenhos de Olivier Coipel, lançado pela Editora Salvat. 


Análise:
Após o Ragnarok, em que todos os asgardianos pereceram, Thor estava no vazio da existência, até que foi despertado por Donald Blake, a fim de retornar e resguardar sua tão querida Midgard. Ele posiciona Asgard em cima da cidade norte-americana e traz de volta os asgardianos gradativamente, entre eles Balder, Heimdall, os Três Guerreiros e Loki. Mas, a busca por Lady Sif parace infrutífera.

Asgard na Terra. Loki no corpo de uma mulher. Donald Blake vivendo em uma pequena cidade nos EUA. É o escritor J.M. Strakczynski mais uma vez trabalhando com um grande herói do panteão Marvel e tirando-o da zona de conforto (como já havia feito com o Homem-Aranha em 2002), criando situações que podem ser desenvolvidos de forma muito interessante. Um reinício promissor e que deixa o leitor com a vontade de querer saber o que vem em seguida. Leitura altamente recomendada.

Graphic Novels Marvel #53 – Doutor Estranho – O Juramento, que reúne as edições #1-5 da minissérie Doctor Strange: The Oath, escrito por Brian K. Vaughan e desenhos de Marcos Martin, lançado pela Editora Salvat. 


Análise:
Wong, o criado de Stephen Strange, o Doutor Estranho, está com um tumor cerebral e tem apenas alguns meses de vida. Stephen viaja até uma dimensão oculta e encontra o Elixir de Otkid, que aparentemente poderia prover a cura. Porém, antes que pudesse administrar o soro em seu criado, Stephen é baleado e o elixir é roubado. Após ser tratado pela Enfermeira Noturna, o Doutor Estranho descobre o verdadeiro responsável pelo roubo do elixir e os motivos que o levaram a fazer isso.

O ótimo escritor Brian K. Vaughan acerta mais uma vez. Ele propõe uma trama centrada no “médico” Stephen Strange em toda a sua jornada pela busca da cura para seu amigo Wong e, por extensão, para toda a humanidade. O Juramento de Hipócrates permeia toda a motivação do Doutor Estranho durante a história, enquanto ele usa de sua poderosa magia para enfrentar as ameaças que surgem em seu caminho. A presença da Enfermeira Noturna apenas reforça o foco do escritor no médico do ocultismo. Além disso, o dilema levantado por Nicodemus West nas edições finais dá o que pensar. E os desenhos de Marcos Martin, emulando o mestre Steve Ditko mesclam o antigo e o novo de forma magistral. Leitura altamente recomendada.

“Já fiz muitos juramentos em minha vida, desde Hoggoth a Watoomb... mas o primeiro juramento que fiz foi o de Hipócrates”. – Stephen Strange.

Graphic Novels Marvel #54 – Eternos, que reúne as edições #1-7 da minissérie Eternals, escrito por Neil Gaiman e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat. 


Análise:
Bilhões de anos atrás os Celestiais visitaram a Terra e a usaram com uma espécie de laboratório experimental criando assim os Deviantes, Humanos e Eternos. Um desses Eternos, insatisfeito, apagou a consciência de todos os outros usando o Celestial Sonhador. Dormentes, os Eternos viveram entre os humanos... até agora. Mas, o despertar dos Eternos também pode trazer terríveis consequências para a humanidade.

Neil Gaiman traz uma trama que não chega ao mesmo nível em que estamos acostumados. Ele explora muito bem os personagens e os conceitos criados por Jack Kirby, mas nada tão complexo, o que é um ponto positivo para leitores que não conhecem os Eternos ou não estão familiarizados com eles desde a década de 70. Além disso, Gaiman não desconsidera o que está acontecendo no universo Marvel, pois estabelece essa história logo após os eventos de Guerra Civil, em que os heróis devem se registrar. Normalmente eu gosto dos desenhos do John Romita Jr, e achei que eles estavam em plena forma nessa série. Uma boa leitura, vale a pena dar uma conferida nessa versão atualizada dos Eternos, seja você fã dos personagens, ou não.

Graphic Novels Marvel #55 – Capitão América – A Escolha, que reúne as edições #1-6 da minissérie The Chosen, escrito por David Morrell e desenhos de Mitch Breitweiser, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
Grande símbolo de liberdade e justiça, o Capitão América é acometido por uma doença terminal e seus dias estão contados. Porém, seus ideais de “coragem, honra, lealdade e sacrifício” estão longe de acabar. No Afeganistão, um dos soldados destacados para desarmar um arsenal dentro de uma caverna isolada, o Cabo James Newman e seu pelotão ficam soterrados sob os escombros após uma forte explosão. Quanto tudo parecia perdido, eis que o Sentinela da Liberdade prova porque é um modelo a ser seguido.

O escritor David Morrell estreia no mundo dos quadrinhos de super-heróis com um conto claramente patriota, mas vai além. Aproveita os acontecimentos do atentado terrorista do 11/9 e cria uma situação real militar, onde, acima de tudo, destaca a perseverança e o desejo de fazer o que é correto, simbolizado na figura soberana do herói fictício Capitão América. Narrativa fluída e desenhos que combinam com o tom da história, que serve quase como uma espécie de Capitão América – O Fim. Leitura interessante.

Graphic Novels Marvel #56 – Hulk Contra o Mundo, que reúne as edições #1-5 de World War Hulk, escrito por Greg Pak e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
A nave que levou o Hulk à Sakaar explode matando milhões de pessoas, incluindo a esposa grávida do Gigante Esmeralda, Caiera. Enfurecido, Hulk retorna à Terra com seus companheiros guerreiros do Pacto de Guerra em busca de vingança. E seu alvo principal são os Illuminati – Raio Negro, Homem de Ferro, Reed Richards e Doutor Estranho. Um a um, todos eles tombam diante da ferocidade do incrível Hulk e seus aliados e parece que nada e nem ninguém poderá impedi-los.

É evidente que uma saga assim seria marcada pela brutalidade, violência e destruição em escalas inimagináveis. E foi isso o que realmente aconteceu. Porém, um olhar além de toda essa devastação nos mostra sentimentos profundos por trás dessa história. Traição, lealdade, amargura, rancor, estratégias, são alguns dos temas abordados de maneira sublime e chega a mexer com as emoções do leitor. Talvez o saldo final não tenha ficado a contento de alguns, mas a mensagem ficou clara. Mais do que apenas uma batalha campal entre grandes heróis da Marvel, Hulk Contra o Mundo é uma história de redenção de um dos Maiores Heróis da Marvel. E os traços de John Romita Jr combinaram bem com o clima de devastação e ferocidade da trama, mesclando a momentos de pura reflexão. Leitura recomendada.

Graphic Novels Marvel #57 – Thunderbolts – Fé em Monstros, que reúne as edições #110-115 da revista Thunderbolts, escrito por Warren Ellis e desenhos de Mike Deodato Jr, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
A Guerra Civil entre os heróis acabou, mas ainda há muitos que recusaram se registrarem. A população já não confia mais em seus heróis e o governo precisa tomar medidas. O “regenerado” Norman Osborn é nomeado diretor de uma nova equipe de Thunderbolts, formada por Mercenário, Rocha Lunar, Suplício, Venom, Soprano, Homem-Radioativo e Espadachim, para apreender super-humanos que não se registraram. Sua primeira missão é relativamente fácil, capturar o herói Jack Flag. Mas o grande problema da equipe pode ser ela mesma.

Warren Ellis foi uma ótima escolha para assumir o título nesse contexto pós-Guerra Civil que o universo Marvel estava passando. Com uma visão ácida e sem rodeios, Ellis mostra um público facilmente manipulado pela mídia e a face de um governo suscetível, inseguro e arrogante. Sem medo de usar apenas heróis de terceiro escalão como plano de fundo, o escritor focaliza suas energias em desenvolver as relações entre os membros dos Thunderbolts e sua visão crítica da superficialidade humana. Leitura altamente recomendada.

Graphic Novels Marvel #58 – Velho Logan, que reúne as edições #66-72 da revista Wolverine e Wolverine: Old man Logan Giant Size, escrito por Mark Millar e desenhos de Steve McNiven, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
50 anos após a derrota dos super-heróis e a ascensão dos vilões, Logan é um fazendeiro pacifista que vive com sua esposa e filhos. A vida não é fácil, principalmente com a Gangue Hulk dominando a região e cobrando seus tributos abusivos. Mas surge uma oportunidade quando Clint Barton oferece um serviço a Logan para que o acompanhe até o outro lado do país a fim de fazer uma entrega misteriosa. Assim, começa uma viagem que terminará da forma mais dramática e violenta para os dois e que afetará profundamente o rumo do futuro caótico desse universo.

O escritor Mark Millar acerta a mão ao trazer um futuro alternativo (que agora faz parte de mais uma das terras do Multiverso da Marvel) focalizando acima de tudo, no personagem Logan. Tendo como plano de fundo a vitória dos vilões obre os heróis e eu domínio sobre o mundo, Logan se destaca principalmente pelo que aconteceu no passado e como isso afetou sua vida nesse cenário. Dosando muito bem drama, ação e uma dose de humor negro nessa história estilo “futuro caótico” e “on the road”, com os desenhos detalhistas e viscerais de Steve McNíven, Old Man Logan é leitura imperdível. Uma pequena observação adicional: foi interessante Mark Millar colocar Wolverine e Hulk frente à frente da forma como aconteceu, já que a primeira aparição do carcaju se deu nas páginas da revista do Gigante Esmeralda.

Graphic Novels Marvel #59 – Invasão Secreta, que reúne a minissérie em oito edições de Secret Invasion, escrito por Brian Michael Bendis e desenhos de Leinil Francis Yu, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
Os skrulls são velhos conhecidos dos heróis da Terra, mas, pela primeira vez, seus poderes transmorfos estão indetectáveis. Com vários agentes infiltrados, a invasão skrull foi apenas uma questão de tempo e quando aconteceu, foi rápida e fulminante. Todos os principais pontos de defesa do planeta foram neutralizados – a estação ESPADA, o aeroporta aviões da SHIELD, toda a tecnologia Stark, o edifício Baxter, a montanha dos Thunderbolts e as prisões de segurança máxima. O planeta ficou à mercê e totalmente rendida à ocupação alienígena e os heróis já não sabem mais em que confiar.

Em clima de muita ação e desconfiança, Brian Bendis narra essa saga de forma fluída e linear, sem maiores esclarecimentos ou desenvolvimentos, que ficaram por conta dos tie-ins. A minissérie procura mostrar apenas a invasão em si e suas consequências. Todo o contexto já foi mostrado antes da saga e vem sendo construído desde que Brian Bendis assumiu a franquia “Vingadores” e tem guiado o destino do universo Marvel. Isso talvez deixe alguns leitores que leram apenas a saga, um pouco confusos, mas isso pode acontecer para quem não está acompanhando o desenrolar da cronologia. Tirando isso, a história é direta e até acaba servindo de ponte para uma nova fase da Marvel, nomeada como Reinado Sombrio. Leitura satisfatória.

Graphic Novels Marvel #60 – O Cerco, que reúne a as edições #1-4 da minissérie Siege e a história Siege – The Cabal, escrito por Brian Michael Bendis e desenhos de Olivier Coipel, lançado pela Editora Salvat.


Análise:
Norman Osborn é o homem no comando do universo Marvel neste momento, um período negro que foi chamado de Reinado Sombrio. Em sua demência e influenciado por Loki, o Deus da Trapaça, Norman decide que é hora de invadir Asgard, que está situada sob uma pequena cidade em Oklahoma, e expulsá-la da Terra. Após um incidente envolvendo Volstagg e mesmo sem a permissão do Presidente dos EUA, Norman e seus Vingadores Sombrios atacam a cidade dos asgardianos, provocando a fúria de Thor, o Deus do Trovão e seus aliados Vingadores.

Uma saga relativamente curta de apenas quatro partes recheada de ação e destruição. Fora de contexto, seria uma história simplesmente comum e até um desperdício, mas dentro do período em que o universo Marvel estava vivendo fez todo o sentido. Os heróis já não tinham mais a confiança do governo e do público em geral e a vilania predominava. Era preciso um retorno à Era Heróica. Daí, toda a onda de destruição causada nessa história representa um simbolismo da queda da vilania e o retorno dos heróis de forma dramática e com sacrifícios, todos os elementos que tem cativado seus leitores por tantas décadas. Dentro desse contexto, O Cerco pode ser um deleite aos fãs ávidos pelo retorno de uma fase mais iluminada e heróica. Leitura recomendada.

Por Roger

#51 - 55:




#56 - 60:



Nenhum comentário:

Postar um comentário