PESQUISA



smc

sábado, 31 de dezembro de 2016

16 pontos de 2016 (Joker)

"Starting to see pictures, ain't ya?"

Eu fiquei com pena do ano acabar sem eu deixar uma única palavrinha. Então resolvi listar 16 pontos que curti. ATENÇÃO: A lista é o mais pessoal possível, não é um resumo de 2016, são só coisas que eu curti. É bom fazer... porque depois que passar passou, rsrs, não haveria razão pra lembrar de 2016 novamente.



16.Sobe uma Blackstar


O álbum "Blackstar" foi lançado logo após o roqueiro David Bowie morrer! O clipe da faixa-título, de 10 minutos, já havia sido liberado no final de 2015. Mas o mais louco foi o clipe "Lazarus" que mostra ele moribundo e ainda saiu bem na época que ele morreu. Particularmente não ouvi tanto assim o álbum, diferente do "The Next Day" que há pouco tempo eu ainda estava descobrindo faixas ótimas que não tinha ouvido ou não tinha prestado a devida atenção quando conferi o álbum. De qualquer forma, a despedida de Bowie foi tão marcante quanto todo o resto da sua carreira.



Possuo a intenção de fazer um novo post sobre o artista, provavelmente em janeiro, mês que vem.


15.Sangue na neve


"Os 8 Odiados" saiu 25 de dezembro de 2015 no exterior, mas eu vi nos cinemas brasileiros em janeiro. Foi o segundo filme estilo western do Quentin Tarantino e eu adorei. Sério, eu amei, amei, amei esse filme. Não dá pra ficar contando a estória porque seriam muitos spoilers, mas Tarantino concentra oito personagens que não chegam a passar pelo anti-heroísmo, são todos ruins mesmos, só não podem ser chamados de vilões pela falta de um herói que faça contraponto. Com violência, humor negro e insanidade Tarantino marcou mais um chocante filme inesquecível. Como eu e meu irmão concluímos, esse só não é nosso filme preferido do Tarantino, porque todos já temos algum que ocupa esse lugar. Não cheguei a escrever análise.



14.Esse filme vai ter léééééésbicas?!


Assisti ao filme "Carol" em janeiro também. É sobre um casal de lésbicas, mas lá nos Anos 50. É EXTREMAMENTE bem feito. A atuação das duas atrizes é excelente do início ao fim, toda a estória é narrada de uma maneira que prende muito e o final é indescritível de tão bem feito. Não é um filme que veio só para polemizar não, é super bem feito, cheio de trunfos. Também não escrevi sobre. Devia tá de férias do blog em janeiro, hehe.



13.RESTLESS AND WILD!!!!


Após um show pequeno no "Monsters of Rock" em 2015, os alemães do Accept voltaram pro Brasil e tocaram em vários estados, incluindo em São Paulo, no Carioca Club. Apenas elogios. São uma das melhores bandas de metal da atualidade, quem ouve nunca se arrepende. Meses mais tarde, o guitarrista Wolf Hoffmann lançou seu álbum solo, "Headbanger's Symphony", onde ele faz covers de músicas clássicas. A banda pretende já lançar um DVD e um álbum novo para o ano que vem.




12.Vocês querem um especial? Nós daremos um especial!


No dia de estreia do filme "Capitão América: Guerra Civil" eu e o senhor Ozymandias Realista publicamos nosso especial sobre a carreira nos quadrinhos do roteirista Mark Millar, que recentemente lançou a novel "O Legado de Júpiter" (não inclusa no especial pois nenhum dos autores do blog havia lido na época).




11."Eu vim matar você, Stick."
"Tá esperando o quê? O Natal?"


Eu sempre me atraso pra ver séries então acabo não escrevendo resenhas pra não virem atrasadas. Mas caraca, queria ter escrito do Demolidor. Mas que temporada! Achei excelente demais! Me senti como se tivesse voltado a assistir as boas adaptações que faziam com esses personagens no início dos anos 2000, com bons filmes de ação, quando não tinha toda essa padronização babaca, o Kevin Feige e o Zack Snyder. Cara: Rei do Crime, Elektra, Demolidor e Justiceiro eu não tiro nem coloco nada. A Karen e o Foggy são chatos no início, mas depois fluem bem melhor. A trama é irada demais. E o Stick, que é o meu personagem preferido do Demolidor, aqui apareceu pra caramba, na outra temporada era um episódio só com ele. Houveram várias críticas negativas, eu até estranhei. Me pareceu um trabalho do Demolidor que será lembrado e referenciado por um bom tempo no futuro.





10.Atena e Afrodite ouviram nossas preces!


FINALMENTE! Melhor série dos Novos 52, a da Mulher-Maravilha, começou a ser publicada em coleção de capa dura. Meu Deus, como essa série foi boa. Enfim lançaram dois volumes encadernados no Brasil, "Sangue" e "Direito de Nascença".


Quanto a mesma personagem, também foi finalmente lançada a primeira parte da leitura feita por Grant Morrison, "Mulher-Maravilha: Terra Um". Dividiu bastante opinião, mas eu achei muito interessante de ler e bem feito também. Grande parte das críticas negativas vieram, pra variar, de quem conhece a personagem mais de lancheiras e mochilas do que histórias. Após o mega-evento "Rebirth" a série mensal estava sendo escrita por Greg Rucka, que já havia escrito uma fase famosa dela, que inclui "Hiketeia", a estória em que a amazona enfrentou o Batman. Não cheguei a conferir essas últimas.



9.O agora é eterno e o Alan Moore também é


O provável maior escritor de HQs vivo anunciou que ao terminar os últimos volumes da Liga Extraordinária parará de escrever gibis. Não significa que ele vá se matar, calma. Esse ano mesmo ele lançou sua super obra literária "Jerusalém", que pode ser encontrada em um gigantesco volume único ou em três. Só que no Brasil não lançou ainda, só em 2017, amigos. O livro se trata da visão que Alan tem sobre a existência com a importância calcada no presente. Ele transfere em fantasia uma forma fascinante de ver o universo baseada em teorias de físicos como Albert Einstein mais algumas ideias do próprio mago, como ele já havia feito em "Watchmen" e outras obras.


As bancas continuam CHEIAS de relançamentos de HQs do Alan Moore, até algumas que há muito não eram vistas, como "Promethea", "Tom Strong" e "A Balada de Halo Jones". Há pouco tempo ele se apresentou no Arts Lab da Inglaterra cantando rap como Mandrill, um babuíno que quer ser ditador em um futuro em que a arte não existe mais. A performance foi chamada de "Mandrillifesto". Eu juro que não sei como o Alan Moore cantando rap não viralizou.





8.Wir sind wieder da!


Após um curto descanso nos últimos anos, antes da banda alemã Rammstein lançar um novo álbum eles voltaram tocando ao vivo fechando festivais de Heavy Metal em vários lugares do mundo. Aguardamos agora o álbum novo pro ano que vem.





7.Hora de dar tchau pro capeta mais legal de todos .-.


Após mais de 20 anos a saga do amado anti-herói Hellboy foi fechada pelo seu talentoso criador Mike Mignola. A Mythos está publicando "No Inferno" no Brasil, aparentemente em duas partes. Aqui no site nós aproveitamos para engatar um especial sobre toda a história do Hellboy em três partes, especial este, que foi terminado em dezembro mesmo.


A Mythos tá aproveitando pra relançar uma penca de HQs do personagem encadernadas, inclusive fizeram um cadernão com toda a fase do Duncan Fegredo. Ainda não terminei de ler essa última estória que teve 10 partes, mas falta pouco. Quando terminar pretendo escrever um post novo.



6.Mais uma data pra bater a cabeça


Primeira edição de novo festival de Heavy Metal, Maximus Festival no Brasil e na Argentina priorizando bandas mais recentes, diferentemente do Monsters of Rock. Esse ano houveram grandes nomes como Rammstein, Halestorm, Disturbed e muitos outros. Já confirmaram uma nova edição para 2017 com Ghost, Linkin Park, Rob Zombie e muitas outras bandas.


5.I'm ready, my Lord


O músico Leonard Cohen já em avançada idade se despediu da Terra com 82 anos. Em entrevistas ele afirmava já estar pronto para falecer, o mesmo na sua música "You Want It Darker", faixa título do último álbum que é surpreendente bom pra um cara dessa idade, achei melhor que o do David Bowie, só não contou com um clipe do cara morrendo na cama, hehe. Agora que ele morreu deve ser fácil achar republicações de seus livros de poesias pra vender, já que ele era muito respeitado não só pelas músicas, mas pelos seus livros também.



4.We'll pray and kiss... and say good night... good night...


Os caras do Black Sabbath saíram na turnê "The End" e terminaram bem em São Paulo, no estádio do Morumbi. São considerados a primeira banda de Heavy Metal da História e vieram com os membros originais Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler. Sem dúvidas uma despedida histórica.




3.The Amazing Astonishing Fantastic Stan Lee


Foi lançada uma biografia em quadrinhos do Stan Lee, o pai do Universo Marvel. Ainda não li, mas fontes confiáveis a avaliaram como competente e muito bem-humorada, contando os altos e baixos da carreira de um dos escritores mais influentes da literatura americana.


2.A Chegada


Assisti agora em dezembro. É um filme de ficção científica com a Amy Adams e o Jeremy Renner. Os efeitos são muito bons e a história muito interessante. Há uma espécie alienígena que veio à Terra, mas absolutamente nada se entende quanto a como eles são e porquê. Há um grande comprometimento com a realidade no ponto que eles não conseguem se comunicar com os extraterrestres de jeito nenhum, não há similaridade com os humanos, tendo que chamar uma tradutora para tentar entender como eles se expressam. Não vou ficar contando a estória, é muito bom e acaba contando com algumas daquelas filosofias científicas que o Alan Moore usa em algumas de suas melhores estórias, vale a pena.



1.Publicação de "Seconds"...... Muitos seconds depois....


Já nem lembrava mais de tanto que eu esperei. No Brasil a última HQ do Bryan Lee'O Maley (Scott Pilgrim Contra o Mundo) saiu recentemente com o título de "Repeteco". Insanidade é o que temos. Kate é uma chef de restaurante, mas em um dia que tudo está dando errado ela descobre que pode refazer as coisas comendo uns cogumelos mágicos. Ao menos é o que me disseram, ainda tá na minha lista de leituras, vou esperar abaixar o preço.

Se tiver algo que você curtiu em 2016 e não viu nessa lista, deixe nos comentários!

Feliz 2017, meus queridos leitores e leitoras!

Megapost: Coleção Graphic Novels Marvel #21-30 (Editora Salvat)

Leia a primeira parte com as edições #1-10 aqui.
Leia a segunda parte com as edições #11-21 aqui.

Graphic Novels Marvel #21 – O Espetacular Homem-Aranha - De Volta ao Lar, escrito por J. M. Straczynski  e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat.


Straczynski começa sua excelente fase no Homem-Aranha com Peter e Mary Jane separados. Ela está em Los Angeles investindo em sua carreira artística e ele vai trabalhar como professor em seu antigo colégio, o Midtown. Ao tentar ajudar seus alunos dentro e fora da classe, Peter conhece o misterioso e bem-sucedido Ezekiel Sims que conhece sua identidade secreta e aparentemente possui seus mesmos poderes aracnídeos. Sua repentina aparição tem como objetivo salvar a vida de Peter das mãos do imortal Morlun, que absorve a essência da aranha do corpo de todos que possuem essas habilidades, incluindo Parker.

JMS sai da zona de conforto e faz a seguinte proposta que dá o que pensar: “Foi a radiação que possibilitou que a aranha desse poderes à Peter ou a aranha tentou transmitir seus poderes antes que a radiação em si a matasse? O que veio primeiro: a radiação ou o poder?”. Essa indagação terá repercussões futuras e faz com que a leitura das histórias do Homem-Aranha daqui pra frente se torne muito mais rica, quando levamos em conta essa pergunta. A criação de Morlun para essa trama só enriquece ainda mais a mitologia do Aranha. Um ser que precisa caçar e sugar a energia vital de pessoas com poderes de animais, como se fosse uma espécie de vampiro, poderoso e inabalável que testa a força de vontade do herói aracnídeo além de seus limites. A cada confronto entre eles, fica claro porque o Homem-Aranha é um herói tão querido, e precisa receber o devido respeito. Uma obra prima na longa história de altos e baixos da versão 616 do Homem-Aranha. Leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #22 – O Espetacular Homem-Aranha - Revelações, escrito por J. M. Straczynski  e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat. 


Continuando sua trama iniciada no volume anterior, JMS passa a mostrar as consequências dos acontecimentos do arco anterior. Tia May e Peter Parker em um conversa franca e emocionante sobre a descoberta dele ser o Homem-Aranha. E a edição #39 focaliza nos três principais personagens que Straczynski resolveu trabalhar – o dia-a-dia de Mary Jane em sua vida profissional, Tia May começando a tomar providências pelas calúnias do Clarim Diário e Peter em sua incansável luta pelo crime.

Mais uma vez, JMS mostra que não quer saber de comodismos. Revela a identidade secreta para Tia May, mas não só isso. Mostra de forma muito bem detalhada a maneira em que ela lida com essa situação. É interessante que Peter, como era de se esperar, não entende plenamente os sentimentos de sua tia com relação à descoberta de sua identidade como Homem-Aranha. Nisso, o escritor conseguiu mostrar que conhece muito bem os personagens que tem em mãos. A edição #36 investe no trabalho de Peter como professor tentando ajudar seus alunos, em particular a pequena Jennifer, cujo irmão mais velho é viciado em drogas. É um arco com poucos diálogos, que foi uma iniciativa da Marvel em produzir histórias visuais e com praticamente zero de diálogos. Mesmo assim, os méritos dessas histórias são o impacto visual. Mais uma leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #23 – X-Men – E de Extinção, que reúne as edições #114-117 de New X-Men, escrito por Grant Morrison e desenhos de Frank Quitely e Ethan VanSciver, lançado pela Editora Salvat. 


Cassandra Nova, uma misteriosa e poderosa ameaça paira sob a raça mutante. Sob seu comando, um exército de Sentinelas aprimorados são enviados e devasta a nação mutante de Genosha, dizimando milhões de mutantes. Como se não bastasse a chacina, ela mostra ser um inimigo mortal para os X-Men.

Grant Morrison em sua estreia no título mutante. Um início com vários acontecimentos diferentes e desafiadores para os X-Men, mostrando que deseja tirar os heróis de sua zona de conforto. Novas ameaças, relações complicadas, status quo modificado e muitos ganchos para o futuro. Um início promissor. Leitura recomendada.

Graphic Novels Marvel #24 – X-Men – Imperial, que reúne as edições #118-126 de New X-Men, escrito por Grant Morrison e desenhos de Ethan VanSciver, Igor Kordey Frank Quitely, lançado pela Editora Salvat.


Os X-Men pensavam que haviam derrotado Cassandra Nova, mas ela fugiu no corpo de Xavier e rumou até o Império Shiar a fim de dominar Lilandra e seu Império. Após contaminar os corpos dos mutantes com nanorobôs Sentinelas, Cassandra força Lilandra a enviar sua força de elite até a Terra para erradicar os X-Men. Enquanto isso, o corpo em que Xavier está confinado está se deteriorando. Cassandra Nova planejou tudo e os X-Men parecem não ter saída.

Grant Morrison continua seu arco sobre a personagem que criou – Cassandra Nova – cuja origem é uma das marcas características de Morrison. Outro ponto positivo é o desenrolar da trama com altas doses de tensão. Se Morrison já havia mudado o status quo do grupo como um todo no arco anterior de E de Extinção, nesse, ele continua a mexer com as coisas, trazendo um novo frescor ao grupo mutante. E como normalmente acontece, quando o Império Shiar é bem utilizado nas aventuras dos X-Men, acaba rendendo boas histórias como essas. Leitura recomendada.

Graphic Novels Marvel #25 – Homem-Aranha Azul, que reúne as edições #1-6 de Spider-Man Blue, escrito por Jeph Loeb e desenhos de Tim Sale, lançado pela Editora Salvat.


É Dia dos Namorados, e Peter resolve relembrar da ocasião em que começou a namorar Gwen Stacy, morta durante um brutal confronto contra o Duende Verde. Aliás, de acordo com o próprio Parker, foi por causa de seu último confronto com o Duende, onde ele descobriu sua identidade secreta e perdeu a memória em seguida, que essa história de amor começou. Em seguida, um plano elaborado colocando o Homem-Aranha frente a frente contra Rino, Lagarto e Abutre foram decisivos para os eventos que levaram Peter Paker namorar Gwen Stacy.

Contado de forma sublime, sensível e genial, Jeph Loeb mostra mais uma vez que sabe como tocar em um assunto que o afeta pessoalmente – a morte de um ente querido. Contada através da visão de Peter Parker, a história também serve como uma merecida homenagem à Stan Lee, Steve Ditko e John Romita, os verdadeiros responsáveis por essa fase clássica e inesquecível do aracnídeo. A construção narrativa privilegia o relacionamento entre os amigos – Harry Osborn, Flash Thompson, Mary Jane e Gwen Stacy, mas nunca abre mão da ação na quantidade certa. E o final reserva uma surpresa, digna de emocionar até o mais duro dos corações. Leitura obrigatória.

Graphic Novels Marvel #26 – Wolverine Origem, que reúne as edições #1-6 de Wolverine: Origins, escrito por Paul Jenkins e desenhos de Andy Kubert, lançado pela Editora Salvat.


A jovem órfã Rose foi convidada para morar na mansão dos Howlett para cuidar do garoto alérgico James. Lá, ela também conhece outro garoto, o Cão, filho de Logan, o jardineiro da família. Apesar da luxúria, a vida dos Howlett foi sendo construída em cima de tragédias. E isso não mudou. Despertado por mais uma perda em sua vida, James Howlett, que viria a se tornar Logan, o Wolverine, viu sua vida virar completamente do avesso quando teve de viver como fugitivo junto de sua amiga Rose. E mesmo depois de adultos, quando suas vidas pareciam estar se acertando, James “Logan” Howlett percebe que sua vida nunca teria paz e felicidade.

Depois de muito tempo, finalmente Paul Jenkins revela a origem definitiva do Wolverine. Uma história calcada no sofrimento e na tragédia, eventos que marcariam sua vida até hoje. Uma narrativa cativante e desenhos com uma colorização que combinam com a época da história. Uma obra para ser lida e relida. Leitura altamente recomendada.

Graphic Novels Marvel #27 – Capitão América – O Novo Pacto, que reúne as edições #1-6 de Captain America Vol.4, escrito por John Ney Rieber e desenhos de John Cassaday, lançado pela Editora Salvat.


Consequência direta dos ataques do 11 de setembro de 2002, a Marvel transfere o Capitão América para o selo Marvel Knights e o coloca na linha de frente de combate ao terrorismo. Uma pequena cidade americana, Centerville, é alvo do terrorista Al Tariq, cujo plano é atrair o Sentinela da Liberdade, que por fim, descobre que seu destino final é na Alemanha.

Aqui vemos Steve Rogers muito mais reflexivo, ponderando sobre seu próprio status como patriota que sempre foi. Um herói que questiona (acredito que aqui foi lançado uma pequena base para o que seria o Capitão América em Guerra Civil, mas isso é outra história), que procura entender o significado das coisas e não apenas um soldado que obedece cegamente. Ao lidar com os atentados em Nova York, Steve incentiva o cidadão comum a não se vingarem, mas dizendo que eles precisam ser melhores, ou o inimigo terá vencido. Interessante também a maneira como o escritor retratou o verdadeiro vilão por trás dos ataques de Al Tariq. Os desenhos de John Cassaday estão no seu auge, assim como estavam em Surpreendentes X-Men, enfatizando os detalhes. Leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #28-29 – Os Supremos – Super-Humanos e Segurança Nacional, que reúne as edições #1-13 de The Ultimates, escrito por Mark Millar e desenhos de Bryan Hitch, lançado pela Editora Salvat. 


Depois das aparições de Magneto (em Ultimate X-Men) e do Hulk (em Ultimate Marvel Team-Up), o universo Ultimate necessita de uma força tarefa para combater qualquer forma de ameaça super humana que ameace a paz e a segurança mundial. Nick Fury nomeado como líder da SHIELD e do grupo Supremos recruta uma equipe poderosa, porém instável, formada por Hank Pym, Janet Van Dyne, Tony Stark, Bruce Banner e Capitão América, além de contar com a ajuda de Thor. Juntamente com seus antigos amigos e agentes Gavião Arqueiro e Viúva Negra, Nick Fury e os Supremos devem se preparar para enfrentar uma invasão alienígena de proporções avassaladoras. Mas antes, devem conter o poder brutal e descontrolado do Hulk.


A versão atualizada dos Vingadores, mais uma força tarefa sancionada pelo governo, do que uma equipe heróica eclética, os Supremos são retratados de uma forma mais crua, com seus principais personagens mais próximos de uma versão mais “realista”. É interessante notar que esse primeiro volume dos Supremos serviu como base e inspiração para muitos elementos do filme Vingadores. Os desenhos detalhistas de Bryan Hitch estão fantásticos. Normalmente vejo opiniões radicais sobre essa HQ – pessoas que amaram ou odiaram, quase sem meio termo. Particularmente gostei e recomendo.

Graphic Novels Marvel #30 – Quarteto Fantástico - Inconcebível, que reúne as edições #67-70 e 500-502 de Fantastic Four, escrito por Mark Waid e desenhos de Mike Wieringo e Casey Jones, lançado pela Editora Salvat. 


Nesse arco, Victor Von Doom está de volta e planeja seu ataque final ao Quarteto Fantástico. Para isso, ele ataca o grupo em seus dois pontos mais fracos – as crianças, Franklin e Valéria. Para salvar sua família e seus amigos, Reed precisa se submeter a um treinamento de magia com o Dr. Estranho, algo inconcebível para sua mente científica. O confronto com Doom deixa sequelas emocionais, principalmente no garoto Franklin.

Mark Waid mais uma vez deixa bem claro a sua proposta de manter o clima de aventura, típicas da fase clássica de Stan Lee/Jack Kirby, mostrando o Quarteto em mais um embate com o Dr. Destino. Porém, dessa vez, o diferencial está na quase concretização dos panos de Doom em desestruturar o núcleo familiar. Em especial as duas últimas edições, #501 e 502 são dignas de justificar porque o status original do Quarteto. Leitura imperdível.


Por Roger

 #21 - #25:
 https://mega.nz/#!JIMx0QAJ!iCh_DRdPf59O4kbLnZmCbKqPLDtrMlcw2oC3uM4N620


 #26 - #30:
 https://mega.nz/#!pAc1UZqD!YD0kK3x_b_tQdB2CuujB1f_1cCaKEbwZKPRrPorX7Bo

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

MELHORES E PIORES DE 2016, parte 01 de 02?


Olá fiéis seguidores e pessoas que caem aqui por acaso e nunca mais voltam. Acredito que até 31/12/16, o blog atingirá a marca de 400 mil views, o que pode ser uma marca atingida mensalmente por muitos outros blogs, aqui é uma imensa conquista após 2 anos e alguns meses.

A mais fiel representação ao meu "eu" atual.
Alguns aqui me conhecem como um voraz consumidor de gibis e filmes, antes de tudo, após um comparativo, posso dizer, que minha atuação nesses dois campos foi bastante árida, li e assisti bem menos que em 2014 e 2015. Assim como minha atuação no blog foi reduzida, chegando ao ponto de passar meses sem postar nada. Isso se deveu ao meu maior envolvimento com o jogo de nobres, conhecido como xadrez.

Dizem que “nerd” é alguém que fica viciado em um tema, não necessariamente quadrinhos, e se aprofunda naquilo quando ninguém mais a sua volta liga, acho que seja o meu caso, eu devo ser desse tipo, já que ao observar os “nerds” sorridentes, cheio de turminhas, encadernados de luxo em selfs e instagram, eu vejo que não sou muito esse tipo.


Mas, andei escutando bastante música, acredito que diariamente, mais de 6 horas por dia. Consegui abafar boa parte dos sons externos do mundo, é reconfortante. Primeiro, fui em busca de alguns nacionais, como Ultraje. Em seguida, passei meses sem parar em hip hop e rap. Depois voltei com força a Pink Floyd e compositores clássicos como Beethoven, e não, não vou sair de branco, praticando ultraviolencia por ai. Eu até fico pensando, como a minha mente consegue alternar fácil entre o áspero e cru rap como Racionais, e depois ir para um igualmente áspero, porém sinfonicamente sofisticado Réquiem do Mozart. São quase que “dois campos opostos”, mas consigo abraçar os dois...





MELHOR FILME


OS 8 ODIADOS

  
Como um filme com 3 horas, menos que 20 atores e rodado quase que em um único cenário consegue ser tão interessante dessa forma?! Fui ver esse filme no cinema com alguns amigos e não tinha nenhuma expectativa nele pelos trailers. Os primeiros 40 minutos na primeira vez que vi são bem chatos, se fosse um Dvd, eu teria desistido já ali, mas passado os primeiros 60 minutos, a coisa se transforma brilhantemente. Não sou tão fã do Tarantino, acho até ele “das massas” demais, mas devo tirar o chapéu para esse roteiro daqui, além de ser um absurdo esse filme não ter sido indicado ao Oscar, acho que ele não foi politicamente correto e mafioso o suficiente, como um certo... Deixa pra lá;









TRUMBO – A LISTA NEGRA


Acredito que o maior trunfo desse filme, foi mostrar mais tudo o que acontece antes de termos o “produto final” que é o filme. Com tanto blockbuster 3D, esse filme sutil, conseguiu retratar a vida de um dos principais gênios dos bastidores da sétima arte, e os percalços para conseguir manter seu trabalho. Trumbo é um comunista, levado para depor e entregar outros de idéias semelhantes, já que comunismo na época era algo “antiamericano”. Particularmente, sou um opositor cruel ao comunismo, mas não tive como não gostar do Trumbo. O filme, não tem ambição de doutrinação barata, mas retratar um período chave no cinema. E é claro, que o Bryan Craston perdeu o Oscar de melhor ator para o Di Caprio. Afinal, todos sabemos que ele é um ator bem inferior a um loirinho que fez a mesma careta desde Titanic.




CREED: NASCIDO PARA LUTAR


Houve quem não gostou, e houve pessoas como eu, que tirado alguns detalhes, consideram essa obra quase tão forte quando o primeiro Rocky. Claro que são contextos de gerações diferentes. O longa de 1979 estava “no lugar certo e na hora certa”, enquanto esse, mesmo “atualizado” e ainda dando uma corajosa continuação a Rocky VI, não causa o mesmo impacto nessa geração, que prefere buscar o último iphone á lutar por um objetivo, em que esporte seja. Se brincar, tivemos o melhor desempenho do Stallone como ator em toda a sua vida, até mesmo superior ao Rocky VI. E adivinha só? Sem Oscar para ele também, pra quê acabar com a descriminação com o cara a essa altura do campeonato mesmo, certo?







BATMAN VS SUPERMAN


Já muito se falou aqui e na internet. Tomei a decisão de só discuti-lo quem realmente gostou. Se não gostou, eu entendo, e pronto, percebi que muita gente detestou, e não por implicância, mas por ter esperado bem mais e se decepcionado, eu entendo parcialmente pessoas assim, também tive minhas frustrações com esse longa, em especial com o final dele. Assisti a versão entendida estendida, e para ser sincero, apesar dela ser melhor que a dos cinemas, eu esperava ainda mais dela, a estendida de Watchmen, por exemplo, é uma imersão bem maior. Para quem ainda tem paciência, esse foi meu texto quando assisti no cinema: http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2016/03/realmente-se-tratava-de-batman-vs.html








PIOR FILME:


ESQUADRÃO SUICIDA


Vi duas vezes no cinema, e não quero ver a versão entendida nem sendo pago pra isso. E olha que eu até gostei bastante do Coringa feito pelo Leto, eu mesmo achava o cara bonitinho demais pro papel, mas percebi que ele é um puta ator. E o que há de errado? Bem, tudo que não pertence ao filme original, aparentemente. Esse material sofreu da mesma forma que o Quarteto do Josh Tank. Temos dois filmes aqui, um bom, e outro remendado por cima. Começando com a vilão patética, com um irmão patético, que parece mais ter saído do “A Múmia 3” sem qualquer substância. Some isso a um filme em que o Batman não faz diferença, tem uma luta de três tapas com o pistoleiro, nem mesmo tem um diálogo contra o Coringa, ou mesmo o Crocodílio, ou contra o Esquadrão... E o mesmo serve pro Coringa, que nem ao mesmo um duelo contra o Pistoleiro no estilo da animação tem. O resultado é um filme preguiçoso, básico, que enganou nos trailers, e depois lançou uma versão em blu Ray com 15 minutos a mais que eu mandei para á-- Bons tempos aqui: http://douglasjoker.blogspot.com.br/2014/09/filme-do-esquadrao-suicida-cara.html

MORE


Algumas coisas levantam nossa curiosidade por anos, e no final, não acrescentam nada. Foi o caso desse filme, algo que eu tinha como “lendário” por ter sua trilha composta toda e exclusivamente por Pink Floyd nos idos anos 60. Acontece que o filme é ruim mesmo, não vale nem como diversão trash. Em 60 minutos de projeção eu já me demiti.



X-MEN: APOCALIPSE


Assisti duas vezes também. Por que eu assisto duas vezes filmes que detesto? Porque o nível de absurdo é tão grande, que eu preciso rever para acreditar naquilo. Como chegamos aqui? Bem, primeiro teve a primeira trilogia, que possa ser vista como estranha para os mais novos, mas foi altamente revolucionária na época. Os dois primeiros filmes dirigidos pelo Bryan Singer, e o terceiro, sendo o mais fraco, mas ainda assistível.
Ai veio “Primeira Classe”, que muita gente aplaude, mas até hoje eu não gostei. Não que ele fosse ruim, havia o excelente trunfo dos jovens Magneto e Charles, mas aqueles mutantes de apoio, digo, os jovens X-Men e o Clube do Inferno ainda não se encaixava para mim, ainda não tinha aquela velha emoção dos X-Men “originais” lá nos anos 2000, e nem mesmo era por falta do Wolverine.
Eis que Bryan Singer retorna, e faz “Dias de Um Futuro Esquecido”. Reconheci esse como o melhor filme X de primeira, e após ter o assistido mais três vezes, o reconheci mais ainda. O filme tinha o retorno parcial dos originais, colocava os novos em contato com eles, era filosófico, e ainda atrativo no quesito de ação, até a trilha sonora se destacava mais. É claro que uma continuação disso, já tava “hypada” por mim desde que deixei a sessão de X-M DDUE.
Ao que parece, recebi um filme ruim proposital. Tive a sensação de que o Synger se vingou aqui. Que ele chegou, e pensou “Fiz um ótimo trabalho e só me xingaram? Agora vou lhes mostrar o que é terror!”. Chegou a doer, sério mesmo. Quase tudo o que funcionava o cara avacalhou. Em 16 anos de X-Men nos cinemas, para mim, ainda não há pior do que esse.



FILME QUE SUPEROU AS ALTAS ESPECTATIVAS NO CINEMA:


DEADPOOL


Transcrição quase completa dos quadrinhos, e se você não gosta deles, provável que não vai gostar do filme. Simples assim-- O DJ discordou um pouco de como eu enxergo: http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2016/02/deadpool-nao-e-o-melhor-filme-do-mundo.html



















FILME QUE DECEPCIONOU AS ALTAS ESPECTATIVAS:


ESQUADRÃO SUICIDA



Sem mais comentários.

FILME QUE TODO MUNDO VIU E EU NÃO:

O REGRESSO


Eu tô com a palma da mão aberta para contar nos dedos quantos filmes com o Di Caprio no elenco em que ele foi ator de verdade. Vamos lá... “Os Infiltrados”, “Titanic”, “Django” e “J. Edgar”. Bom, deram quatro. Ai temos o diretor desse filme, que ganhou o Oscar como melhor diretor em 2016, assim como em 2015 por... “Birdman”. O que me faz voltar um pouco no tempo, rever alguns dos MELHORES FILMES da história do cinema, como “2001 - Um Odisseia no Espaço” ou “Touro Indomável” e ver que eles não ganharam nessa categoria. O que me faz pensar... O que são a maioria desses filmes que o Oscar está premiando? Um monte de porcaria metida a inteligente? Ou será que são filmes tão complexos que meu cérebro não consegue mais acompanhar o ritmo? Andei pensando bastante nisso esse ano, tanto que não devo ter assistido uns 50 filmes.




MELHOR FILME REVISTO

SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS


Cinema para mim é isso. É aquela peça de arte, que você assiste, volta cenas, e vai encontrando mais detalhes interessantes e apreciando melhor, ás vezes chegando ao ponto de raciocinar “isso é tão bom, que eu queria que apagassem da minha mente, só para eu me surpreender com tudo uma nova vez”. Robin Williams faleceu, Ethan Hawk está mais em evidência, e o “Neil” tava até um dia desses na série “House”. Peter Weir parece ter ser perdido. O cruel diretor talvez tenha falecido. Mas tirado isso, de onde foram cada um dos participantes, é nítido que a experiência sempre será lembrada positivamente por eles. Lembro de uma vez ter visto nos extras do DVD, além da versão toda comentada pelo Weir, há depoimento dos atores mais de dez anos depois de terem participado do filme. Uma atriz, em especial, me chamou atenção. Ela conta que chegou com um medo absurdo de levar vários gritos e repetir várias tomadas, o que natural dos diretores, já que a maioria é completamente neurótica e egocêntrica. E tudo o que Weir disse gentilmente a ela foi “apenas seja você mesma. Permita a câmera captar a verdade”. Isso, é o tipo de coisa que uma tela verde e orçamento de 200 milhões não consegue. ISSO É CINEMA.


MELHOR ANIMAÇÃO

Não.


PIOR ANIMAÇÃO

Não.

MELHORES TRILHAS SONORAS


ESQUADRÃO SUICIDA























SOUTHPAWN


Esse filme foi pouco falado, mas é ótimo. Mais sobre ele em breve, a trilha também se destaca, ainda mais pelo som “Kings Never Die” do Eminem.


Vai ser um post preguiçoso assim? Sem longas explicações?

Vai não. Já foi.


Parte 2 só em Janeiro eu acho, até lá.